Valva Tricúspide

O que é a valva tricúspide?
O coração tem quatro valvas. A valva ou válvula tricúspide é a estrutura do coração responsável pela passagem de sangue do átrio direito para o ventrículo direito. Ela possui três cúspides, que funcionam como portas, que se abrem apenas em uma direção.

Valva tricúspide fechada(círculo azul)
Valva tricúspide fechada(círculo azul)

Quais as doenças mais comuns da valva tricúspide?
No adulto, o desenvolvimento de estenose(estreitamento) é raro , já a insuficiência (aumento) causando retorno do sangue do ventrículo direito para o átrio direito é mais comum.

Estenose e insuficiência valvar em relação ao fluxo de sangue.
Estenose e insuficiência valvar em relação ao fluxo de sangue.

Quais as doenças mais comuns da valva tricúspide?
No adulto, o desenvolvimento de estenose(estreitamento) é raro , já a insuficiência (aumento) causando retorno do sangue do ventrículo direito para o átrio direito é mais comum.
Estenose e insuficiência valvar em relação ao fluxo de sangue.

Quais as conseqüências da insuficiência tricúspide?
A insuficiência tricúspide geralmente é secundária, ou seja, ocorre devido a outra doença no coração. A insuficiência leva a congestão(aumento de sangue) no sistema esplânico(fígado/intestinos) e membros inferiores(pernas).

O que sente um portador de doença na valva tricúspide?
Pode sentir arritmias(palpitações), cansaço, falta de ar, inchaço nas pernas, sensação de sopro no peito, ou absolutamente nada.

Como diagnosticar a doença da valva mitral?
O médico cardiologista após ouvir a história do paciente e fazer o exame físico passa a suspeitar desta doença. Será confirmado por exames: Ecocardiograma, e Cateterismo cardíaco.

Quando indicar a cirurgia?
A cirurgia é indicada através do que o paciente sente e das medidas realizadas por Ecocardiograma ou cateterismo cardíaco. O paciente deve estar em uso regular das medicações prescritas e deve investigar doença de coronárias(idade acima de 40 anos) com cateterismo cardíaco. Geralmente o tratamento da valva tricúspide é secundário numa cirurgia múltipla(outras correções) o que não a coloca em importância menor.

Qual a cirurgia para doença na valva tricúspide?
Usualmente pode ser preservada a valva com plástica. Em casos excepcionais pode ser realizado a troca da valva tricúspide. Ambas as cirurgias são feitas com auxílio de circulação extra-corpórea e pode ser utilizado implante de prótese biológica ou mecânica. Se há uma expectativa de preservação da valva tricúspide também deve ser discutido a possibilidade de troca valvar definida no ato cirúrgico..

O que é uma prótese valvar?
Relembrando que as valvas ou válvulas são estruturas do coração responsáveis por coordenar a passagem de sangue pelas câmeras dos coração. Existem 4 no coração: mitral e aórtica(esquerdas) & tricúspide e pulmonar(direitas).
Quando uma destas válvulas encontra-se doente e não há como preservá-la, realizamos uma troca valvar por uma prótese.

O que é uma prótese biológica?
É uma prótese de origem biológica, heteróloga(não humana), de origem porcina(porco) ou bovina(boi), tratados em substâncias(glutaraldeído e formaldeído), deixando-as sem células vivas, e portanto não causam rejeição.

O que é uma prótese mecânica?
Conhecida também como prótese metálica, de fato, atualmente é feita de carbono pirolítico, um processo industrial que envolve alta tecnologia.

Qual as vantagens e desvantagens da prótese biológica?
Vantagens: não precisa tomar um remédio chamado anticoagulante, é silenciosa.
Desvantagem: desgasta-se ao longo do tempo e portanto tem que ser trocada após alguns anos(depende da idade do paciente e da posição-mitral, aórtica,etc)

Qual as vantagens e desvantagens da prótese mecânica?
Vantagens: normalmente não desgasta-se ao longo do tempo e portanto pode não precisar ser trocada.
Desvantagem: precisa tomar um remédio chamado anticoagulante para sempre, faz um barulhinho tipo relógio, contra-indicado em portadores de coagulopatia, aneurisma cerebral, gastrite crônica ou tendência a hemorragia.

Como escolher a prótese ideal?
Vou enumerar algumas perguntas que devem ser feitas: idade, sexo, número de cirurgias prévias, teve infecção tipo endocardite prévia, tem acesso a médico/hospital/e medicações?
Para tanto, o médico tem que avaliar caso-a-caso com o paciente e sugerir uma opção.

prótese

Quais são complicações possíveis na cirurgia de troca valvar tricúspide?
A cirurgia cardiovascular interfere literalmente com o funcionamento de todo o organismo, isto implica a possibilidade de qualquer sistema entrar em falência. Obviamente, tomamos todas as medidas de proteção orgânica.

Vamos didaticamente dividi-las por sistemas orgânicos, vou descrever em linhas gerais as complicações possíveis de uma cirurgia do coração:

1-Sistema cardiovascular: Arritmias, bloqueio cardíaco(temporário ou definitivo), baixo débito cardíaco, insuficiência valvar residual, comunicações camerais residuais, disfunção ventricular, vasoplegia, choque, síndrome da resposta inflamatória sistêmica, dificuldade me retirar/desmamar drogas vasoativas, necessidade de balão intraórtico, infarto do miocárdio, etc

2-Sistema renal: insuficiência renal aguda, hemoglobinúria, necessidade de diálise no pós-operatório, etc

3-Sistema hematológico(sangue): coagulopatia(alteração na capacidade de formar coágulos pelo organismo), anemia, plaquetopenia(queda no número de plaquetas), hemólise, sangramento por coagulopatia, etc

4-Sistema respiratório: dificuldade em oxigenação, edema pulmonar, lesão pulmonar mínima, lesão pulmonar importante, necessidade de altas concentrações de oxigênio, necessidade de suporte com ventilação mecânica prolongado, necessidade de traqueostomia, derrame pleural, etc

5-Infecciosas: broncopneumonia, infecção urinária, infecção de pele, mediastinite(infecção cirúrgica profunda), endocardite, infecção em cateteres, etc

6-Sistema nervoso: AVC(acidente vascular cerebral) conhecido como derrame, irritabilidade, convulsão, alteração no sono e apetite, alteração no humor, paraplegia(específico de cirurgia de aorta descendente), etc

7-Específicas: bloqueio cardíaco, necessidade de marcapasso definitivo, embolia pulmonar, infarto do miocárdio, baixo débito cardíaco pós-operatório, “leak” paravalvar, insuficiência ou estenose residuais.